Seja muito bem-vindo ao Copo de Letras!! Sirva-se sem moderação. ;)

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Poesi-ar


Abro os meus olhos
Tudo é resto:
meu todo é resto
Há cacos de esperança
espalhados pelo chão
Preciso multiplicar frações
Sinto as pontas afiadas do silêncio
ferindo o que eu luto para manter intocado
O ar me falta
Meu coração dispara aflito,
corre para o precipício da exasperação
e grita um caminho
que meu corpo já não aguenta mais seguir
Preciso escrever
Morrer em palavras
Matar-me em figuras
_explosões em catarses
suicídios sem eufemismos_
Renasço
Não mudo a realidade
O todo continua resto
O silêncio faz sangrar os meus sentidos
Mas depois do grito,
depois da morte em palavras vivas,
Revivo
Acho que ainda tolero um pouco mais isso.

4 comentários:

LECA disse...

LEIO
SILÊNCIO...
RELEIO ...
OBSERVO...
ABSORVO
...MAS AINDA CÁ ESTOU...
BEIJOS

LECA disse...

LEIO
SILÊNCIO...
RELEIO ...
OBSERVO...
ABSORVO
...MAS AINDA CÁ ESTOU...
BEIJOS

Elisa disse...

Não mudo a realidade
O todo continua resto
.....
E a gente ainda tem que aproveitar ao máximo esse resto. Unf!
Bjokas

Aluizio disse...

Esse, com ctz, é um dos melhores. Todo muito bem construído, grandes frases, muito boas ideias (não consigo me acostumar com esse ideia sem acento, aff!!!). Bjoca Lud