Seja muito bem-vindo ao Copo de Letras!! Sirva-se sem moderação. ;)

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Tanto faz




E a história que nem passou por nós direito ainda, pra onde é que foi?


Quando tudo foi muito perfeito,
Veio a bomba e dissipou toda perfeição

Ainda estamos tontos e anestesiados
Amor é via de mão dupla
Amor quer verdade o tempo inteiro
E respostas também
Amor quer certezas e chão para pisar
Esse silêncio que ora vivemos,
Faz-me muito mal,
Deixa-me sem saber se devo ir, se devo estar.
Ter que conter toda essa explosão dentro de mim,
Ter que conter as vontades e os impulsos,

as certezas, as verdades, promessas leais tão recentes...

implodir sempre,
Isso vai além das minhas possibilidades
Quando a única estratégia que resta
É a de, tão somente esperar,
Quando não há nada mais a fazer,
Vem um vazio que toma conta de tudo em mim,
Que leva a minha alma ao coração da saudade

que me faz duvidar de tudo aquilo que juramos,

afinal, juntos, éramos invencíveis!
Não posso enxergar pelos outros,
Não posso ter coragem pelos outros,
Não posso responder a mim mesma no amor,

e se te fazes silente, posso compreender mil coisas...

Ofereço colo, palavras, coragem, carinhos
Ofereço força, paz, sonhos, cumplicidade
Mas nada disso cabe agora nesse cenário bombardeado
Talvez estejas esperando que eu me cale,
Melhor ainda: que eu desista!
E talvez eu o faça.

Mas não quero pensar nisso agora.
O que nos resta é esperar,
Desacelerar o coração,
Adiar as vontades e encaixotar os sonhos, um a um…
Não sei como fazer caber esse sentimento vivo, de força avassaladora,
Numa caixa de respostas sociais
Será que vou aprender a não esperar nada?
Será que vou aprender a ignorar a tua presença?
Será que vou aprender a ignorar a tua ausência?
Será que vou aprender a conviver com lembranças?
Será que vou aprender a desamar?
Preciso me esvaziar de todo meu sangue para livrar-me de ti,

desse amor sanguíneo
É, coragem assusta quando não vem da gente…





Nenhum comentário: