Seja muito bem-vindo ao Copo de Letras!! Sirva-se sem moderação. ;)

terça-feira, 12 de junho de 2012

Sentimentos Paralelos


Por: Ronald Mignone e Ludmila Clio

Ainda que eu de novo me doe
A dor que me rasga não sai
Teima em não deixar-me
Serei eu prisioneiro da dor?
Até quando ficarei aqui,
Refém de tempos frustrados?

Agora inebriado pela falta,
Perdido em meio a tantos pedaços,
Inteiro é o vácuo, enorme no peito
Fico daqui, olhando fixo, para o nada
Alheio a ofertas frívolas…

E entram dias, caem noites
Há sóis, há chuvas e às vezes, estrelas
O relógio dá mil voltas,
Eu não me movo
A dor não passa
Ainda que eu de novo me doe
E de novo, e de novo…
A solidão me é companhia fiel

Adoeço por ser tão exigente.

3 comentários:

Ronald Mignone disse...

Agradeçamos por sermos tão exigentes.
;-)

Ludmila Clio disse...

Yes, we are!!!

Leca disse...

Bravo!!!