Seja muito bem-vindo ao Copo de Letras!! Sirva-se sem moderação. ;)

domingo, 20 de janeiro de 2013

Doce Companhia...



Hoje eu saí para reencontrar um amigo que, de todo meu coração, tem minha sincera admiração e carinho: Willian Lizardo. Além de ser agraciada pela sua linda companhia, ainda ganhei de presente "O Amante", de Marguerite Duras, uhuuuuuu!!!

Sempre que nossas almas se encontram, elas crescem. 

Sinto que nossas almas se provocam e [inocentemente] se desafiam, como quem diz: "venha comigo, vou te levar a um caminho mais distante!" e a outra responde: "minha querida, minha alma querida, em ti confio e contigo irei a qualquer lugar para onde queiras que eu vá!"


E juntas, entrelaçadas, elas ora andam, ora correm pelos caminhos da Música, da Literatura, pelas cores, entrelinhas e acordes... ora apenas silenciam-se e reverenciam uma melodia, um verso, um tom e noutra ocasião, extasiam-se diante de entrelinhas tão profundas e de acordes tão vibrantes! Ah, as Artes... como nos amamos, nós três!

Podem haver dezenas de pessoas à nossa volta, televisões ligadas, crianças correndo entre nós, nada pode penetrar em nosso mundo e quebrar a simbiose tão perfeita que se realiza. Não, não estou exagerando, simplesmente é delicioso não precisar me conter ou traduzir minhas expressões. Definitivamente, ser compreendida é uma bênção para poucos!

Como é lindo e raro conhecer uma alma rica, capaz de interagir com a minha e fazê-la expandir-se tanto em poucas horas! Daí volto para casa com a alma maior, eufórica e intensamente reflexiva, fértil, frutífera, viva!

Só posso agradecer-te por todo esse bem que me faz, meu querido amigo e irmão Willian Lizardo! Amo-te e assim será até àquele dia, aquele que bem sabes qual é...

sábado, 5 de janeiro de 2013

Intensidade




Apenas sou
Vou para onde o vento leva
Fujo das pessoas que me magoam com suas palavras ácidas
Esqueço-me do passado
Ignoro meus problemas
Contrario as novidades
Multiplico meus dilemas
Minto, finjo, mato, morro...
Por vezes me encontro sem um ideal que me mova,
Sem um amor pelo qual eu sofra
E eu represento, minto e finjo, descaradamente...
Mas esse teatro também é para mim...
e... nos bastidores dessa vida tão vulgar
a mentira faz-se homicida
afogando-me no meu oceano de extrema covardia.