Seja muito bem-vindo ao Copo de Letras!! Sirva-se sem moderação. ;)

sexta-feira, 15 de maio de 2015

O Som do Sim

Não acredito que estou aqui outra vez
Ressentindo, sentindo tudo de novo
A dor de um novo fim, desse meu único amor
Que não cai, não se vai
Que mora longe e aqui dentro
Que eu preciso e me destrata
O som do sim me salvaria,
mas a maldita cautela não o pronuncia
Teus olhos me querem e me rejeitam
Sei que ardem de saudade dos meus
Meus dias diminuem, 
tamanha é a ausência do teu calor
Eu poderia ser a flor exuberante,
mas longe de ti eu não sei ser flor
Sou reles folha seca, 
e faço absoluta questão que assim seja
Desprezada, que ninguém enxerga
Que o vento leva e o chão beija
Que só quer se esconder, ser pisada pelo esquecimento
A dor da saudade é devastadora
e célula a célula vai me apagando
As memórias estão vivas, antes morressem!
Mas é a lembrança da luz dos teus olhos
que me mantém respirando
Vou vivendo sem tocar na vida
Ando, mas por dentro estou em coma
Meu silêncio grita, minh'alma chora
Eu só queria não ter te conhecido
A vida não teria graça desde o início
e eu não saberia como é essa tal alegria de viver,
essa plenitude que o amor proporciona,
esse riso frouxo que a paixão escancara
Apagar-te de mim é um suicídio lento e cruel
Agora meu único e mendigo desejo é dormir
Fechar os olhos para tudo isso _que é nada sem ti
e me render ao sofrimento desse amor que chega a me doer o peito
E que vive, cada dia mais forte enquanto eu
Enfraqueço
Desfaleço
Esmaeço
Enlouqueço de saudade.


quinta-feira, 7 de maio de 2015

Eu Contradição



Queria ver meus dias ao contrário,
do último ao primeiro, sem sair do lugar
Amor, lembra-me sempre
que o avesso do Sol é a Lua, não a escuridão?
Como naquele primeiro dia em que fazia calor, mas chovia
Nasci num dia de contradição

Andar em corda bamba nesse mundo ensolarado
Permeado de tanto coração gelado
Mas aquele dia não era só contradição?

Ah, se um dia eu pudesse ver meu futuro, sem estar presente!
Mas não, ele acontece, escorre lentamente
Então sigo no sentido contrário,
rodeada de gente em perfeita solidão
Avançando para o futuro, apaixonada pelo meu passado
E não há motivo algum para desesperar _ ou há?

Daqui pra frente hás de chorar, hás de sorrir
É sempre o sim e o não
e bem acima dos medos, tua exata contradição
Vivendo, morrendo, sorrindo, sofrendo
Teu passado corre a toda velocidade,
Mas o abraçarás antes do último dia
Pois viver, ainda que doa,
É o teu maior presente, velha menina.

domingo, 3 de maio de 2015

Inteira


Olhas para mim e vejo a grande interrogação gritando silenciosa
“Por que me amas, se podes viver tão mais, em qualquer lugar?”
E meus olhos se inundam, procurando minhas mãos, que se apertam
Como poderei explicar mais uma vez o que eu não sei explicar, apenas sentir?
Sorrio, meio nervosa
O amor que não compreendes me acalma
Olho dentro dos teus olhos, preocupados
Mas os meus são calmos
Sorrimos

Ora, eu te amo por egoísmo, talvez
Porque sou melhor perto de ti, porque fico feliz ao teu lado
Porque te ver respirando alimenta a minha vida”

Mas ainda assim vejo preocupação nos teus olhos aflitos

“Meu amor, não podes perder o que está guardado dentro de ti
Se saio mundo afora, e daí?
Vive em teu coração minha raiz
É para ti que sempre volto, 
É em ti que descanso
e recupero minha paz”

Posso agora ver alívio em teus olhos
Sabes que eu poderia tanta coisa, mas só teus olhos me interessam
E quando compreendes meu amor, amor
Sou a mulher mais feliz do mundo!
Agora me abraça, me beija a cabeça
Me olha daquele jeito que só teus olhos sabem olhar
Sobrevivi durante todo esse tempo sem uma palavra sequer
Estou aqui, te amando muito mais agora
E te dou todo esse tempo como prova
Descansem, olhos amados
Amor que resiste ao tempo  
acaba sendo pra vida inteira.