Seja muito bem-vindo ao Copo de Letras!! Sirva-se sem moderação. ;)

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

"Ah, vida real, como é que eu troco de canal?"


Na madrugada passada eu tive um pesadelo.

Sonhei que eu brincava de pique-pega numa rua super movimentada de Cachoeiro, mas no meu sonho, era uma rua sem saída e tranquila. E já estava de noite.

De repente uma senhora me falava apavorada que era pra eu ir pra minha casa e tomar muito cuidado com o tubarão, que essa era uma noite em que ele atacaria... eu ri, peguei as duas mãos dela e lhe disse, firmemente: “Olha, não existe tubarão nenhum, isso é uma lenda, uma bobagem sem sentido algum que o povo fala...”Mas ela continuou esbaforida e recolheu as crianças dela da rua.

Sabe como são os sonhos e os pesadelos... completamente desconexos... de repente eu estava deitada, em minha cama, no meu quarto. Coberta até à cabeça. E o quarto, era o meu, de criança, na casa em que vivi dos primeiros dias de vida até meus quinze anos... na "rua do Roberto Carlos"...

De repente comecei a sentir como se fosse um cachorro, sei lá, um bicho muito grande me roçando as pernas, soltando aquele bafo quente no meu pescoço, algo aterrorizante. Eu pedia pra parar, mas o animal continuava, em silêncio. Dele eu só ouvia a respiração, quente e profunda. No meu pesadelo eu tentei gritar pela minha mãe, duas vezes, com aquela voz de menina, agudinha... "Mãe, mãe!" mas a voz não saiu. Eu fiquei desesperada. No pesadelo eu já estava de joelhos sobre a cama, com a coberta nas costas, chorando, em desespero, aos prantos.

Daí eu tentei gritar pela minha mãe de maneira grave, quase falada: "mãããããe"...

Então, aqui, na vida real, eu acordei todo mundo. Eu gritei pela minha mãe na vida real também.

Acordei com as pernas muitíssimo cansadas, ofegante e até agora não sei se me senti realmente aliviada... talvez no meu pesadelo ela aparecesse, e faria dele, um sonho...

Senti uma profunda e indescritível tristeza em meu coração. No escuro, chorei baixinho, sob carinhos que tentavam me consolar, sem saber de nada: "Calma, fica calma, foi só um pesadelo, já passou, está tudo bem..."

Eu precisei dela nesta noite.

E eu trocaria minha realidade pelo meu pesadelo, só por mais alguns segundos, apenas para vê-la abrindo aquela porta e vindo ao meu encontro...

4 comentários:

Cineclube Jece Valadão disse...

que triste, Lud..
=/
mas se ate pra fazer um samba com beleza É preciso um bocado de tristeza..
=P

Elisa disse...

Tadinha da minha amiga lu!
Pode ter certeza que alguem la do outro lado do aceano tem os mesmos pesadelos!
beijooooos

Elcio Tuiribepi disse...

Oi...sonho ou pesadelo? De qualquer forma...Bom descanso...durma bem...rssss

Elisa disse...

Me lembrei de uma coisa muito importante daquela casa da rua do Roberto Carlos!!!
La tinha uma guarda-roupa!! Me lembro muito bem dele!! Um esconderijo e tanto! rsrs